sâmbătă, ianuarie 07, 2006

"Quilombo de Conceição de Macacoari, do Amapá, é reconhecido pelo Incra" (Brasil)

"Foi publicada no dia 3 de janeiro, no Diário Oficial da União, portaria do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), com data de 30 de dezembro de 2005, que reconhece a comunidade quilombola de Conceição de Macacoari, em Macapá, capital do Amapá (AP). O trabalho de regularização foi feito em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a Fundação Palmares e a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Com este, chegaram a oito os territórios de quilombolas reconhecidos pelo Incra no ano passado.
Domínio
A associação de moradores da comunidade quilombola de Conceição do Macacoari recebe o Título de Domínio do Incra no dia 7 de janeiro. As famílias são remanescentes de quilombos que, segundo os estudos antropológicos, habitam a gleba do Macacoari há mais de 200 anos. Essas famílias foram formadas por escravos fugitivos da construção da Fortaleza de São José. A comunidade ainda hoje subsiste da pecuária, pesca, agricultura e da criação de pequenos animais.

História
A denominação Conceição do Macacoari deve-se à Santa festejada pela comunidade e à grande quantidade de macacos que ainda hoje habitam as florestas da região. Segundo os moradores mais antigos, o surgimento do quilombo ocorreu por volta do ano de 1860. Um escravo que estava sendo levado de Mazagão Velho para combater na guerra do Paraguai conseguiu fugir. Pai Mané (Manoel Néri), como era conhecido, refugiou-se inicialmente na localidade denominada Vila do Coração. Ali ficou por pouco tempo, vindo a estabelecer-se em Conceição do Macacoari."
Leia a notícia na íntegra no Boletim NEAD n. 315.