joi, ianuarie 05, 2006

Governo diz que gado e soja forçam ritmo de desmatamento no Pantanal

"O coordenador-geral do Programa Pantanal do Ministério do Meio Ambiente, Paulo Guilherme Cabral, admitiu ontem [03.01.2005] que a expansão da pecuária e do cultivo de soja é responsável pelo maior ritmo de desmatamento no Pantanal.
Cabral afirmou, entretanto, que pedirá à organização não-governamental Conservação Internacional mais detalhes sobre o estudo que aponta o risco de desmatamento completo da região em 45 anos, caso seja mantido o atual ritmo de devastação.
Divulgado ontem pelo GLOBO, o relatório mostra que já foram destruídos 17% da cobertura vegetal original da região apenas no lado brasileiro. Na Bacia do Alto Rio Paraguai, região maior onde o Pantanal está inserido, esse índice já é de 45%, segundo o estudo.
Cabral lembrou ainda que, diferentemente do que ocorre na Amazônia, agricultores e pecuaristas no Pantanal podem devastar até 80% de suas propriedades, salvo quando as terras ficam em áreas de preservação permanente. Na Amazônia, ocorre justamente o inverso: só podem ser desmatados 20% das áreas totais das propriedades.
Ele disse que o Ministério do Meio Ambiente não acompanha o desmatamento no Pantanal em tempo real, com imagens de satélites, como ocorre na Amazônia. Daí seu interesse em ver as imagens e os dados coletados pela ONG Conservação Internacional.
Cabral disse que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) realizou em 2005 uma operação de fiscalização na bacia hidrográfica do Rio Alto Taquari. A idéia é intensificar esse tipo de atividade este ano, segundo ele. A operação deu lugar a um grupo permanente de trabalho.
O coordenador disse ainda que o governo federal não tem mais controle sobre as autorizações de desmatamento, pois a tarefa foi repassada aos governos estaduais em 2003."
Leia a matéria completa em O Globo.