miercuri, octombrie 04, 2006

Empresa condenada a indenizar dano ambiental por rompimento de barragem

Relata a Revista Eletrônica Ambiente Vital que a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) deverá pagar indenização de R$ 50 mil por danos decorrentes do rompimento de barragem que destruiu área ecológica licenciada para a atividade de ecoturismo no Município de Pinto Bandeira. A decisão é da 17ª Câmara Cível do TJRS. O colegiado considerou "a frustração dos autores da ação, além dos prejuízos causados aos investimentos". A Corsan também foi condenada pelos danos ambientais.
A juíza Carla Patrícia Boschetti Marcon Della Giustina, da 3ª Vara Cível de Bento Gonçalves (RS) determinou o pagamento por danos materiais de R$ 35,2 mil, a título de lucros cessantes. Para a recomposição do ambiente degradado, o valor arbitrado ficou em R$ 21,3 mil. Em recurso ao TJRS, os autores da ação - Neucir Bissoloti e Jaqueline Bissoloti - buscaram a reparação pelo danos morais, anteriormente negados, e a majoração dos danos materiais.
Para a desembargadora Elaine Harzheim Macedo, relatora do recurso, o caso envolve recomposição de dano ambiental cometida pela empresa-ré na área explorada pelos autores e o conseqüente ressarcimento. A partir da realização de obras desautorizadas e irregulares, o rompimento da barragem gerou danos, como a desorganização do arranjo e disposição física do espaço, alteração no curso natural das águas, comunidade vegetal atingida, comprometimento da trilha e histórico do local e a modificação temporária nas condições ambientais da fauna local.
Sobre o empreendimento, a magistrada acredita que os autores viram todo o esforço de meses ruir em razão do incidente, o que se deu também em virtude do desleixo da Corsan, como restou demonstrado nos autos.
As fotos evidenciaram o estado em que ficou o local, as mudanças drásticas, que impedem também as caminhadas, inviabilizando o negócio. “É de clareza meridiana que não estamos diante de mero incômodo, mas toda uma frustração representada por em esforço financeiro e físico, que representa também um sonho acalentado.”
No entendimento da desembargadora, a indenização por dano moral representa a ocorrência de uma situação efetivamente anormal e atípica, causadora de algo mais do que um mero aborrecimento ou de mera inconveniência própria do cotidiano, de quem convive em sociedade.
“Diante de tal contexto fático é de presumir a dor e decepção dos demandantes, pois ninguém fica indiferente nem deixa de sofrer frustração diante dessas circunstâncias”, destacou.
O colegiado manteve a sentença do juízo da Comarca de Bento Gonçalves no que tange aos danos materiais e à recomposição do meio ambiente. O total da condenação da Corsan chega a R$ 106.500,00 em valores nominais.

Niciun comentariu: