miercuri, august 20, 2008

"Registo de animais não tem base de dados única"

Nos termos de um artigo do jornalista Amadeu Araújo, publicado no Diário de Notícias, "O número de cães abandonados, com chip, não pára de aumentar até porque o sistema não é cem por cento eficaz: existem duas bases de dados diferentes que não se cruzam. Entre estes animais estão os cães de raças consideradas perigosas e os de caça - cujo abandono cresce nos primeiros dias da época oficial. Desde Julho de 2008 que todos os cães estão obrigados a possuir chip de identificação.
O alerta parte da responsável do Cantinho dos Animais Abandonados de Viseu (CAV). 'Existem já muitos cães chipados, mas não se consegue saber quem é o dono porque o número do chip não é localizável na base de dados', diz Ana Maria Vaz. A Lei 313/2003 estabelece a criação do Sistema de Identificação de Caninos e Felinos (Sicafe), que estabelece as 'exigências em matéria de identificação electrónica de cães e gatos, enquanto animais de companhia' e o seu 'registo numa base de dados nacional'. Mas, em Portugal, 'existem duas bases de dados que não estão interligadas', revela a dirigente. O Sicafe está na Direcção-Geral de Veterinária (DGV) enquanto a outra base, o Sistema de Identificação de Registo Animal (SIRA) é administrado pela Ordem dos Médicos-Veterinários." (As hiperligações foram acrescentadas)
Este texto está acessível na íntegra.

Niciun comentariu: